Está a ler o arquivo 2005-2009 do Beijós XXI. A partir de 2010, o blogue passou a ser publicado no endereço http://beijozxxi.blogspot.com

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Emigração e a mobilidade profissinal

Portugal é um dos países europeus com mais tradição de emigração e agora também de imigração. Também em Beijós, raras são as famílias que não têm ou não tiveram um irmão ou um tio a trabalhar no estrangeiro.

Antigamente, a emigração era quase permanente, e resultava no fenómeno de viúva de vivo, mulheres que ficavam a cuidar das terras, a fazer de mãe e pai para os filhos, às vezes com as ajudas que o marido enviava mas nem sempre.

No limiar do século XXI, a emigração tem outra dinâmica. Desde os trabalhadores sazonais que vão e vêm para a construção civil, as colheitas ou o turismo até os estudantes que vão fazer mestrados ou doutoramentos e ficam no estrangeiro a trabalhar alguns anos, as migrações são muito menos permanentes, já que o custo das comunicações e das viagens se tornou muito mais comportável. Por isso a emigração e imigração continuam a aumentar.

Mas quem emigra ainda precisa de muita coragem para se aventurar a uma terra estrangeira, onde não domina o idioma, mas onde geralmente têm um irmão, um primo ou um amigo que dá apoio nos primeiros tempos. Quem já emigrou sabe bem que emigrar não é para os fracos nem para os acomodados.

Quem emigra leva consigo o seu capital humano, o ofício ou profissão que aprendeu, ou apenas a sua energia que for um trabalhador indiferenciado. Há países como o Canada ou os Estados Unidos que utilizam a emigração para recrutar trabalhadores qualificados no estrangeiro, enfermeiras filipinas, informáticos indianos, electricistas e mecânicos e outros Skilled Workers de todo o lado. Portugal também recebe bastantes trabalhadores qualificados, como os célebres dentistas brasileiros. Em Espanha, o crescimento económico atraiu grandes números de imigrantes.

Para emigrar bem, para além do passaporte convém ter "carteira profissional" , de preferência uma qualificação básica escassa e reconhecida em vários países. E o emigrante também pode aproveitar para aprender não só idioma mas também uma nova especialidade ou certificação profissional no país de acolhimento. Isto é essencial para preparar o regresso.

A mobilidade e a concorrência profissional torna cada vez mais importante o ensino obrigatório, a formação profissinal e a versatilidade e aprendizagem ao longo da vida.

Portugal tem a escolaridade obrigatória dos 6-15 anos, apenas até ao 9º ano, um dos mais curtos da Europa, comparado com 6-16 anos em Espanha e 4-16 anos na Irlanda. Portugal tem os mais baixos níveis de aproveitamento escolar na União Europeia.
Portugal tem um programa de formação e certificação professional e a Europa promove as equivalências e reconhecimento mútuo das certificações.
Os trabalhadores portugueses precisam de se preparar o seu CV-Curriculum Vitae para um mercado laboral bastante mais alargado.

Ver PLOTEUS aprendizagem no espaço europeu
Low Skills: a Problem for Europe
JobCenterPlus

Razões para estudar e terminar o 12º ano, o elo mais fraco do sistema de educação em Portugal

Ver aulas de substituição, os furos que tanto prejudicam as nossos estudantes na concorrência com jovens dos outros países que dão o programa completo

10 Beijos:

Cadina disse...

Estudar? O quê?

Perante a dificuldade em obter emprego ou um emprego bem remunerado (prefiro a expressão "posto de trabalho"), que qualquer pessoa justamente ambiciona, é frequente ver jovens dizer que não vale a pena estudar, que não vale a pena fazer um esforço para entrar numa universidade ou poltécnico porque, depois, não há emprego, não encontram um posto de trabalho que compense o esforço e as despesas de tirar um curso superior.

É preferível tirar um curso profissional, ouve-se por vezes.

Será que os jovens que pensam assim têm razão?

Nuno disse...

Depende do curso.

Micas10 disse...

Na Irlanda, houve tempos em que 17% dos estudadantes emigravam logo à saída da universidade

beijokense disse...

47% dos desempregados de curta duração e 63% dos de longa duração têm no máx. 6 anos de escolaridade.
Os detentores de diploma superior passam menos tempo desempregados, 2 em cada 3 estão nessa situação por um período inferior a 6 meses, situação que não é possível de observar em nenhum outro nível de escolaridade.
No entanto, a % destes diplomados colocados através dos centros de emprego é mínima.

Micas10 disse...

Sim, geralmente uma boa formação dá mais versatilidade e capacidade de adaptação às mudanças do mercado de trabalho. E dá também melhor rede de contactos, o que é essencial na procura de trabalho.

Mas também há alguns iludidos que condenam a versatilidade profissional...

Anónimo disse...

O BCP, telefonou-me para eu ir a uma entrevista, infelizmente não podia ir pois já tinha combinado estar com a Andreia nesses dias

Anónimo disse...

Amazing! This blog looks exactly like my old one!
It's on a totally different subject but it has pretty much the same layout and design. Excellent choice of colors!

Check out my blog - jocuri online puzzle gratis

Anónimo disse...

My spouse and I stumbled over here coming from a different
page and thought I may as well check things out. I like what
I see so i am just following you. Look forward to looking into your web page for a second
time.

Feel free to surf to my homepage jocuri online cu vampiri si varcolaci

Anónimo disse...

Hello there! This post couldn't be written any better! Reading this post reminds me of my previous room mate! He always kept talking about this. I will forward this article to him. Fairly certain he will have a good read. Thank you for sharing!

Here is my weblog; jocuri gratis masini

Anónimo disse...

Hi there, I read your blog on a regular basis. Your writing
style is witty, keep it up!

Look at my blog post sex picks

Enviar um comentário