Está a ler o arquivo 2005-2009 do Beijós XXI. A partir de 2010, o blogue passou a ser publicado no endereço http://beijozxxi.blogspot.com

sábado, 17 de fevereiro de 2007

O Moleiro - 3





Sr Fernando olha o leito da Ribeira de Beijós




A força da água que há-de mover a mó...










O Tingerico - peça de madeira que em contacto com a mó, faz cair mais ou menos milho consoante a mó gire mais rápida ou mais lenta.








FOFOKEIRA disse...

«Essa do TINGERICO andar a roçar - se na mó para dosear a queda do cereal para o olho da mó, não lembra nem ao diabo.
Mas qual é o verdadeiro nome desse pinchavelho?

Temos:
> A moega - Recipiente em madeira, colocado sobre a mó onde o moleiro vaza os sacos dos cereais;
> Quelha - Acessório móvel, por onde passa o cereal, que tapa a abertura da moega. Este acessório, tem um regulador, para descer ou subir a parte anterior, de acordo com as necessidades da queda do grão, conforme a velocidade da mó nos moinhos hidráulicos.
> Essa coisa de "Tingerico" será uma cruzeta de madeira. Uma parte cilíndrica, geralmente tronco natural de qualquer parte da árvore . A parte que cruza com esse tal tingerico, vai da quelha a um ponto fixo do resguardo da mó. Com as irregularidades da superfície da mó, esse tingerico oscila/salta e, consequentemente, vai provocar as oscilações da quelha que, assim, provoca a queda do grão, de acordo com as possibilidades e as necessidades a mó tem para despachar e conseguir moer convenientemente o grão. Se a mó estiver a rodar sem grão, o que a danifica, diz - se a mó anda à roça. Se tiver grão a mais, o que provoca dificuldades na moagem, diz que a mó está pejada. Se a água subir no rio, por forma a atingir o rodízio do moinho, cativando a sua normal rotação, diz que o moinho está pejado.»
Editado em 23FEV2007
para acrescentar este comentário de Fofokeira.


continua na palheira

Ver também reportagem em Ricardo Santos

7 Beijos:

FOFOKEIRA disse...

Essa do TINGERICO andar a roçar - se na mó para dosear a queda do cereal para o olho da mó, não lembra nem ao diabo.
Mas qual é o verdadeiro nome desse pinchavelho?

Temos:
> A moega - Recipiente em madeira, colocado sobre a mó onde o moleiro vaza os sacos dos cereais;
> Quelha - Acessório móvel, por onde passa o cereal, que tapa a abertura da moega. Este acessório, tem um regulador, para descer ou subir a parte anterior, de acordo com as necessidades da queda do grão, conforme a velocidade da mó nos moinhos hidráulicos.
> Essa coisa de "Tingerico" será uma cruzeta de madeira. Uma parte cilíndrica, geralmente tronco natural de qualquer parte da árvore . A parte que cruza com esse tal tingerico, vai da quelha a um ponto fixo do resguardo da mó. Com as irregularidades da superfície da mó, esse tingerico oscila/salta e, consequentemente, vai provocar as oscilações da quelha que, assim, provoca a queda do grão, de acordo com as possibilidades e as necessidades a mó tem para despachar e conseguir moer convenientemente o grão. Se a mó estiver a rodar sem grão, o que a danifica, diz - se a mó anda à roça. Se tiver grão a mais, o que provoca dificuldades na moagem, diz que a mó está pejada. Se a água subir no rio, por forma a atingir o rodízio do moinho, cativando a sua normal rotação, diz que o moinho está pejado.

Não é assim, isto?
Isto também é cultura geral!

Vamos lá explicar mais. :-)

Nuno disse...

Boa! A foto do Sr. Fernando está muito fixe.

V.F. disse...

Interessante o nome do acessório. Mas porque não chamá-lo pelo seu nome mais conhecido: o Trambelo?!

Saudações :)

Anónimo disse...

deveria ser tambelho

FOFOKEIRA disse...

Não haverá ninguém que explore melhor este tema? O Sr. Fernando dará a sua ajudinha.
O Ricardo Santos não terá mais dados, nos seus arquivos?

Verso da Tia Maria disse...

Moinho porque vais dando
Farinha para o nosso pão
Roda rodízio sem descansar
A volta escuma cor de luar
A água salta sempre a correr
A mó de pedra sempre a moer

Micas10 disse...

Versos da Tia Maria
Moinho porque vais dando
Farinha para o nosso pão
Roda rodízio sem descansar
A volta espuma cor de luar
A água salta sempre a correr
A mó de pedra sempre a moer

Enviar um comentário