Está a ler o arquivo 2005-2009 do Beijós XXI. A partir de 2010, o blogue passou a ser publicado no endereço http://beijozxxi.blogspot.com

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

Beijós já tem... telefone

Efectivamente, o passageiro identificado em Documentos antigos de Beijós - 6 é António Coelho de Moura, filho de beijosenses e amante da terra de seus antepassados, tendo feito publicar, como já se disse, a Monografia de Beijós.

No início da década de 1950, ainda não havia qualquer telefone em Beijós. Tal como hoje com a qualidade da ADSL e há uma década atrás com o GSM, o prestador de serviço (então os CTT) não estava interessado em alargar a rede telefónica a Beijós (estão a ver como é bom conhecer a História, parece que há uma tendência para se repetir!) e, se alguém quisesse instalar um telefone, teria de pagar uma pequena fortuna - 12.000$00 (12 contos). Surgiu então a ideia de instalar um telefone público através do sistema de financiamento usual, um peditório ao povo.

O peditório acabaria por ser cancelado porque António Coelho de Moura doou os 12 contos que os CTT exigiam para instalar o telefone e assim, em 1952, foi instalado um posto público de correio, telégrafo e telefone na loja do sr. João Marques de Almeida (ver foto ao lado). Em 1958, esta loja passou para a gerência de João Peixeira Marques, que ainda hoje mantém o telefone público, agora nas instalações que inaugurou em 1970. Durante a 2ª metade dessa década, encontrava-se um objecto estranho dentro da cabina telefónica - uma lata de tinta, que começou por ser de 20l e depois passou a 5l :)

Durante os primeiros 30 anos de funcionamento, para além do serviço contratado de posto telefónico e telegráfico, o encarregado do posto prestava um verdadeiro serviço público: era ele próprio uma lista telefónica, uma agenda, um atendedor/gravador de chamadas, bastas vezes com entrega ao domicílio, tantas delas como mensageiro da morte. Na era do email e do iphone, o serviço telegráfico foi abolido e o telefone público é utilizado com pouca frequência. O sr. Peixeira já não se lembra quando recebeu ou enviou o último telegrama, mas diz que desde 1990 os telegramas já só eram utilizados para condolências.

P.S. Este post foi pensado para homenagear o benemérito que financiou a instalação do telefone, mas aproveito para homenagear também o encarregado do posto pelo serviço público que durante tantos anos prestou. Ele merece!

4 Beijos:

hawk76 disse...

Parabens ao Sr Peixeira, grande enciclopédia....

sweet disse...

Um cérebro mal aproveitado!

António disse...

Obrigado ao Sr. António Coelho de Moura, pela sua dedicação e paixão a Beijós, nossa Terra.

Obrigado ao Sr. João Peixeira Marques, verdadeiro Percursor do Beijós XXI, "Computador" com upgrade quase ilimitado. Sempre disponível para conversas intermináveis de conteúdo de valor incalculável, muitas, muitas horas de conversa, infelizmente o meu "computador" com capacidade de processamento com muitas limitações.

Ché.76 disse...

O serviço público, não era só de posto de correio, tambêm servia de centro de Saude para dar injecções.
Serviço de marcações de consultas e exames médicos, traduções de documentos, enfim era tudo.

Enviar um comentário